Translate

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Palhaços e circos divulgam carta contra o golpista Tiririca

Palhaços e circos divulgam carta contra o golpista Tiririca




Palhaços e circos publicam carta de repúdio ao Deputado Tiririca
Ao Excelentíssimo Senhor Tiririca Deputado Federal
Senhor Deputado,
Nós, palhaças e palhaços profissionais, brasileiros e estrangeiros engajados na defesa da democracia do Brasil, manifestamos nossa mais completa insatisfação e repúdio em relação à postura e ao voto de V.Exa na votação do processo de impeachment do último domingo, 17 de abril de 2016.
Como o senhor bem sabe, nossa profissão se baseia, acima de tudo, na verdade e na honra com a qual o artista se dirige a seu público.
O que certamente nos diferencia do senhor, na atual situação de nosso país, é a coragem ética com a qual nós, ao contrário de V.Exa, lutamos pela consolidação da, ainda frágil, democracia brasileira.
Sabemos perfeitamente que, em nosso sistema constitucional, não se pode derrubar um governo simplesmente porque não se concorda com sua política. É preciso que se prove a existência de crime de responsabilidade. E tal noção de crime, forjada do dia para noite, em uma Câmara cujo presidente é investigado na operação Lava Jato, arranha consideravelmente a legitimidade de um processo que se pretende honesto.
V.Exa não quer, ou não tem interesse em observar esses fatos com isenção, honra e justiça. Daí nossa brutal e essencial diferença.
Portanto, deputado Tiririca, trocando em miúdos: no último domingo, lamentavelmente, o senhor não representou os palhaços e palhaças profissionais, envergonhando aqueles que buscam honrar o seu ofício de levar alegria ao povo brasileiro.
Assinam esta carta, as entidades circenses, os coletivos de circo e da palhaçaria e os artistas abaixo:
Cooperativa nacional de CircoCooperativa Paulista de TeatroHugo Possolo e Raul barretto - Parlapatões Patifes e Paspalhões – SP Fernando sampaio - Cia. La mínima – SPesio magalhães e tiche vianna - Barracão Teatro – SP – Campinas
fernando yamamoto - cLOWNS DE SHAKESPEARE – RN
Lily curcio - Seres DE LUZ – sp – cAMPINAS
dagoberto feliz e suzana aragão – folias d´arte – sp
Vera Abbud – As Graças - sp
VAL DE CARVALHO - Coletivo SampalhAças – SP
paulo federal - Casa 360 – Espaço de Arte e bem estar – sp
SILVIA LEBLON - NA Companhia dos anjos – sp – campinas
christiane paoli quito – professora da escola de arte dramática/eca-usp
bete dorgam – professora da escola de arte dramática/eca-usp
Angel Bonora Jorda - Espanha.
Angela de Castro – Inglaterra
Claudio Carneiro – Cirque du Soleil
Ivan Prado – PORTAVOZ INTERNACIONAL DE PALLASOS EM REBELDIA
Duo Finelli – EUA
giovanni foresti – oucloup - itália
Erin Leigh Crites – EUA
Daniela barros – RJ
ÂNGELO BRANDINI – SP
CHRISTIANE GALVAN -SP
VERA LUCIA RIBEIRO - aS MARIAS DAS GRAÇAS – RJ
eSTUDANTES DO INSTITUTO DE ARTES DA UNESP
Festival dos Inhamuns de Circo, Bonecos e Artes de Rua - CE
Circo Escola Lona da Maria – Ce – Itapipoca
MOVIMENTO POPULAR ESCAMBO LIVRE DE RUA - Brasil
ANEPS (Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde) – SC
Ponto de Cultura Galpão da Cena de Itapipoca – ce
Associação de Artes Cênicas de Itapipoca -AARTI- Ce
CIRCO GUARACIABA – SP – SOROCABA
CIRCO KOSKOSWISK – SP - SOROCABA
Cia. Balé Baião – ce
Arte JUCÁ – ce
CERVANTES DO BRASIL – CE
Coletivo M´Boitata – MS – Dourados
paola mussati - cia. pelo cano – sp
lUCIANA vIACAVA - cia do ó - sp
Instituto hahaha – Mg
bando de palhaços - rj
lona bamba – sp
Dona Zefinha - ce
circo klenquen - SP
forças armadas - sp
circo di só ladies - sp
CIA. Cromossomos – SP
Circo do Asfalto – SP - São Bernardo do Campo
Coletivo Bassusseder - SP
Cia Vôos – Sp
Esquadrilha da risada - sp
Cia. da Reprise – sp
Exército contra nada – sp
clowbaret - sp
Cia. Maravilhas – PE
Cia. Humatriz - PE
Las cabaças – pará - brASIL
CIRCOVOLANTE - MG
Grupo Off-Sina - RJ
Cia do Solo - RJ
Núcleo Artístico Gema - RJ
Cia Theatro em Cena - MT
Companhia Cênica Ventura - RN
Grupo Teatral Nativos da Terra Rasgada – SP - sorocaba
Charanga Mutante - rj
BANDO LA TRUPE- RN
CIA. CIRANDUÍS - Rn
CIA. ARTE E RISO DE UMARIZAL - rn
CIA ARTE VIVA DE SANTA CRUZ - rn
GRUPO CAFURINGA DE RECIFE - pe
MOVIMENTO CHÁ, CAFÉ, PROSEADO - rn
CENOPOESIA TRAK-TRAK - rn
Palhaço Gourmet – pr
Circo Rodado – prColetivo Miúdo – pr
CIRCOVOLANTE - Mg
PALHAÇO CUS-CUZ - JUNIO SANTOS - BRASIL
Cia. Gêmea - Mg
Coletivo VagaMundo - Rs

Cláudio Celso Monteiro Júnior · São Paulo, Brazil
Para quem não sabe, Francisco Everardo Oliveira Silva, o TIRIRICA é cigano, da etnia Kalón, pertencente a categoria dos “gorbeta” (ciganos circences). Infelizmente são poucos os artistas ciganos que, ao atingirem a fama, continuam assumindo sua identidade étnica Por vergonha, preferem escondê-la. Lovaveis exeções que fugiram ou fogem à regra: Benito de Paula, Dedé Santana, Wagner Tiso, Zé Rodrix e Cecília Meirelles. Mas este é não é o caso de Tiririca, que nunca se assumiu publicamente como cigano, e que, uma vez parlamentar, nada ou muito pouco fez por seu povo, além do Projeto “Meu Treiler Minha Vida’ (óbvia paródia do sucesso “Minha Casa Minha Vida”) que beneficiaria “artistas de circo” (em nenhum momento explicitamente, os ciganos).
Os ciganos- designação genérica dada aos povos rromá- vêm sendo alvo de perseguições, políticas segregacionistas, genocídios, e todo e qualquer tipo de marginalização social desde sua presença no mundo ocidental, a quase mil anos. Ações motivadas pelo preconceito; preconceito este, segunto o antropólogo Franz Moonen, baseado no esteriótipo, entre outros, do cigano trapaceiro.
TRAPAÇA !
Esse é o nome exato a ser dado ao voto pró golpe dado por Tiririca.
Com seu ato traiçoeiro, Tiririca, mais uma vez negou suas origens, pois no mundo rromá – um mundo onde o analfabetismo grassa e praticamente inexiste a documentação escrita, a palavra de um cigano é sua honra e sua verdade. E ele havia, por diversas vezes, espontaneamente, dito não ao golpe.
Poderíamos conjecturar sobre o que fez Tiririca mudar de ideia, mas isso não descaracterizaria seu ato como um ato de traição e trapaça.
Neste sentido, os rromá só tem a ganhar com o fato desse trapaceiro ter vergonha se ser cigano pois não há dúvidas que Francisco Everardo Oliveira Silva é a vergonha dos ciganos do Brasil.
UPRÉ RROMÁ !
Cláudio C. Monteiro Jr.
Sociólogo
Autor de “A Cigana Emília : Etnias e Xingamentos no Sítio do Picapau Amarelo”


Mais do que isso, muito mais, ele se esqueceu que hoje o Brasil comemora o dia 24 de maio, como o DIA DO CIGANO, que lutamos todos os dias por melhores condições de vida para todos o Povo Romani no Brasil. 

Uma pena um deputado tão desinformado sobre sua própria etnia, triste, muito triste.

Cana o drom si lungo, naxtis piras korkorro.

AMSK/Brasil

quinta-feira, 21 de abril de 2016

PREZADAS SENHORAS DEPUTADAS




Prezadas Senhoras Deputadas,

Nós, mulheres de etnia romani (ciganas), fundadoras da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), organização que atua na promoção e defesa dos direitos dos povos romani (ciganos), vimos, por meio desta, expressar nosso respeito e profunda gratidão pelo posicionamento de Vossa Excelência no processo em curso em nosso País com relação ao impeachment da Presidenta Dilma Rousseff.
Neste momento, assistimos à insurgência de uma onda conservadora e reacionária em nosso País – e não apenas nele –, e que ameaça direitos conquistados com muita luta. Nossas lutas, e de muitas outras mulheres que nos antecederam. Como mulheres, cidadãs brasileiras de etnia romani (cigana), nos sentimos profundamente atingidas pelas mais diversas expressões de sexismo, discriminação e violência de gênero direcionadas à Presidenta Dilma e a todas às corajosas deputadas que votarão NÃO com relação à admissibilidade do processo de impeachment.
Defendemos veementemente a liberdade de expressão e o debate de ideias. A existência de diferentes correntes ideológicas em um mesmo cenário social e político faz parte da essência dos regimes democráticos. Porém, o que vemos neste momento há muito deixou de ser um debate que respeita os preceitos democráticos. O que vemos é o surgimento de um projeto político ideológico excludente, conservador e baseado em um discurso de ódio com elementos sexistas, racistas e homofóbicos. O que vemos é o sistemático desrespeito aos direitos humanos, e uma tentativa de fragilizar conquistas que considerávamos já consolidadas.
Os discursos de ódio são um mecanismo constante de propagação de ideologias que ao longo da história promoveram forte perseguição aos povos romani (ciganos). O exemplo mais evidente disso é o efeito provocado pela ideologia nazista sobre inúmeras famílias romani (ciganas) na Europa.
No período de 1939 a 1945, homens e mulheres romani (ciganos) foram sistematicamente perseguidos, presos, enviados a campos de concentração, utilizados em “experimentos médicos” e assassinados. Após o fim da II Guerra Mundial, estes eventos foram muito pouco divulgados e a morte de cerca de 500 mil homens e mulheres romani (ciganos) durante o holocausto foi praticamente esquecida. Este é considerado o maior genocídio da população romani (cigana) na Europa em toda a sua história, tendo provocado o extermínio de três quartos da população romani (cigana) europeia. Para muitos grupos romani (ciganos) este período é denominado Porajmos – palavra em romanês que significa a Grande Devoração.

Esta é uma história recente, que motivou a vinda de muitas famílias romani (ciganas) para o Brasil e que permanece muito presente em nossa memória. E é em honra e respeito aos nossos antepassados, à todas as mulheres, homens e crianças de etnia romani (cigana) cuja perseguição e assassinato encontraram justificativa em discursos de ódio e ideologias racistas,  que nos posicionamos em defesa da democracia e contra qualquer tentativa de promover retrocessos no que diz respeito aos direitos humanos, ao respeito à diferença e às medidas adotadas em termos de políticas públicas e legislação para o enfrentamento ao racismo, ao sexismo e à homofobia.

Gratas por sua força, por sua coragem e por seu verdadeiro compromisso com a democracia, afirmamos: o posicionamento de Vossa Excelência nos representa.

Nos manteremos na luta, lado a lado, nesta caminhada.

Com carinho, respeito e admiração, nos despedimos.

Atenciosamente,   

As mulheres da AMSK/Brasil.

Elisa Costa

Presidenta da AMSK/Brasil

SOBRE OS OLHOS DO FACISMO


Amig@s;

Tod@s vocês que nos acompanham, sabem que ao adentrarmos no mês de maio e próximo a ele, voltamos nossas postagens para as celebrações, conquistas e desafios do Povo Romani (os assim chamados ciganos) no Brasil e no exterior; seja em relação a saúde, as rodas de conversa ou outros desafios.

Entretanto, o modelo de política que se adianta, na chamada Ponte para o Futuro (lançado pelo PMDB), retira da base, programas dos quais a maioria dos ciganos carecem. Reduz a verba para a Educação e a Saúde, entre outras perdas
.
Imaginem o que poderá acontecer com a nossa frágil portaria 940 do MS e o Documento, Ciganos, Documento Orientador para o Ensino, lançado pela SECADI em 2015.

Imaginem a apologia ao golpe militar de 64, visto no domingo último pelo Deputado Jair Bolsonaro, deixando claro as suas convicções. É tempo de garantirmos o direito de cada um e cada uma seguir sua religião ou não, sem que seja imposto uma ou outra a chamada verdade absoluta. É tempo de abrir os olhos e juntar forças contra o fascismo que começa a ganhar forma novamente, principalmente pela bandeira da moralidade, do recato e de um Deus que serve apenas a interesses particulares,

Mas o pior de tudo foi o Tchau Querida, os berros e vais as mulheres que votavam contrário as “expectativas” e as chamadas de lindas, maravilhosa e além, fazendo referência a aquelas mulheres que cumpriam o papel de quietas e educadas. Tinha até Deputada fazendo o papel de garota propaganda, a fim de aparecer na TV Câmara, segurava cartaz, bandeira, virava o cabelo e fazia biquinho.

A caça às bruxas, em todos os tempos condenou mulheres de etnia Romani (as assim chamadas ciganas) pelo simples fato de existirem. Inclusive acompanhamos várias prisões referente a leitura de mão, em pelo o menos 3 regiões do país. Tudo isso com a certeza do estelionato e do roubo, acusações repetidamente desamparadas pela própria constituição brasileira.

Ciganas que são impedidas de usarem o coletivo, por causa de suas roupas coloridas, que independentemente de qualquer coisa continuam repetidamente sendo abordadas nos supermercados sem nenhum fundamento, única e exclusivamente por serem ciganas e mulheres.

Num parlamento, num país, onde os homens e mulheres que deveriam zelar por todos, segundo reza a nossa Constituição de 1988, são capazes de usar o recorte de gênero, com tamanha discrepância e desrespeito.

Durante esse tempo que se aproxima, nós mulheres da AMSK, vamos lutar para que cada mulher, de todas as cores, RAÇAS E CREDOS; belezas e principalmente ETNIAS, tenham condições de se manifestar respeitosamente, de lutar pelas suas tradições, pela sua cultura e pelo universo a que pertence.


Porque antes de qualquer outra coisa, somos MULHERES, somos fortes e temos princípio e lutaremos por respeito e igualdade de tratamento. 

Elisa Costa
Presidenta da AMSK/Brasil

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Mídia internacional desmascara o Golpe no Brasil





Não se trata de escolher entre duas cores.

Se trata de dizer que os movimentos sociais, as minorias e aqueles que mais precisam de ajuda foram vistos na grande pauta política. Aconteceu.



Se trata de defender uma ideologia, que alías é acima de todos os partidos.



Infelizmente precisamos contar com uma análise estrangeira, a exemplo dos massacres com os índios na década de 80 e 90, pra que vissem o risco eminente em que os movimentos populares e a nossa tão recente democracia se encontra.



A AMSK/Brasil acredita na Democracia e no exercício do diálogo para a construção de políticas públicas assertivas.



AMSK/Brasil

quinta-feira, 14 de abril de 2016

PÓS 8 DE ABRIL



E lá se vão os dias, os meses e os anos. A Europa discute o 8 de Abril. A Roma se reúne para discutir o que avançou pós a década e inclusão dos Roma e o que acabou escoando por entre os dedos e não se cumpriu.

Na Espanha se reuniram, universitários e profissionais liberais, na Romênia, professores e doutorandos entre os ativistas Portugueses e tantos outros. Na luta para efetivarem na prática, o avanço que já se conquistou. Por cá ainda nos falta muito alcançar esse padrão, mas vamos seguindo em frente, daqui a 10 anos essa situação irá mudar.

Emplacamos nós nessa discussão mundial e aqui no Brasil não é muito diferente. Com um alto nível de despreparo e com o estereótipo cada vez mais acentuado, chegam a circular livros e supostos trabalhos científicos que alinham um cunho religioso muito preocupante. Criações de religião absoluta para a roma e coisas do gênero. A diversidade deve ser respeitada mais do que nunca, para que não se perca a memória e a história.

Na reunião anual da AMSK/Brasil, realizada no início de Abril, o corpo de fundadoras elaborou um programa de ações e projetos a ser desenvolvido durante o ano devendo abranger pelo ao menos 5 estados e três países que já superaram a fase da desinformação primária pela qual passa o país.

Com sua estrutura reformulada e com novos integrantes, a AMSK/Brasil começa a desenvolver material voltado a qualificação científica de dados e pesquisas.
Com um programa de metas que discutirá nos próximos 7 anos; um grupo de ações e produtos que possuam situar homens e mulheres da roma, para assumirem um estratégia acompanhada de ação.

Em meio a um pseudo Estatuto do Cigano, um simples uso do plural já ajudaria, afinal de contas, fechar os olhos num empoderamento machista, esquecendo as mulheres que hoje são arrimo de família é no mínimo vergonhoso. Ainda há a chamada situação análoga ... essa continua nos arrepiando. Situação análoga a condição étnica de ser roma é simplesmente sem discussão, foge ao conceito e a condição básica de respeito por uma etnia, um povo e o direito inquestionável de existir.

No dia 16 de maio se comemora o dia da Resistencia dos Rroma e dia 24 de maio o dia Nacional do Cigano. A situação é séria minha gente, ou se luta por políticas públicas que possam ser efetivadas ou se tira foto para colocar na cabeceira.

O nível dessa discussão precisa subir e essa é, sem sombra de dúvida uma das maiores preocupações da AMSK. Das mais de 5 mil mulheres de etnia romani, que recebem o bolsa família hoje no país, muitas são arrimo de família. Delas, depende o sustento e o futuro dos pequeninos.

Estão programadas 3 grandes reuniões para esse ano. Esperamos que o bom senso e o espírito de união realmente prevaleça, acima de crenças religiosas, disputas de classe social, diferença de gênero e sub grupo.


Opré roma – avante ciganos, essas duas palavras significam muito, mais do que simplesmente pronunciá-las, precisamos vivenciá-las, caso contrário, tudo continuará no folclórico e pitoresco.

AMSK/Brasil

sexta-feira, 8 de abril de 2016

ROMA DAY - ROMANI DAY


Porque unidos somos mais fortes, porque esquecer o passado é deixar de lutar pela memória e renegar o racismo.


AMSK/Brasil

ROMANI DAY - 8 DE ABRIL





Toronto - Canadá


INTERNACIONAL ROMANI DAY - 8 DE ABRIL


Direitos iguais não é um favor e muito menos uma arrogância da etnia que a requer;

Direitos iguais significa dignidade, respeito e principalmente DEMOCRACIA.

OPREH ROMALÊ

SASTIPÊN THAJ MASTIPEN



AMSK/Brasil
Por um Brasil que respeite as diferenças