Translate

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Fabrizio De Andrè - Khorakhanè - A forza di essere vento

 




70 anos após - ROM E SINTI EM AUSCHWITZ



70 anos após  - ROM E SINTI EM AUSCHWITZ





Se alguém dizer que não ouviu falar ...

Se as escolas e universidades deixarem de contar a história ...

Se os anos tentarem apagar a memória, deles e nossas ...

Se as imagens forem fortes e feias demais...

Se você acha que já faz muito tempo e não vale a pena recordar...

Se achar semelhança entre o que passou e o que está acontecendo no mundo hoje...

Se você acha que o Brasil não recebeu refugiados de Auschwitz...

E que esses problemas não dizem respeito a nós...

Se você pensa que essa realidade não afetou o rumo de milhares de vidas no Brasil...





70 ANOS RECONSTRUINDO – ROM E SINTI EM AUSCHWITZ



DIGA AO MUNDO O QUE OUVE...

CONTE ESSA HISTÓRIA NAS ESCOLAS E UNIVERSIDADES...

NÃO PERCA SUA MEMÓRIA E NEM SUA HISTÓRIA...

ESSAS SÃO IMAGENS QUE FAZEM PARTE DAS NOSSAS VIDAS...

O TEMPO PODE TRAZER VELHOS FANTASMAS...

NÃO FINJA QUE NÃO VÊ...

ESTAMOS NO BRASIL...

SIM ... SÃO UMA MANCHA NA HUMANIDADE...

POR ISSO TUDO ... AINDA É MUITO DIFÍCIL FALAR.












As fotos foram retiradas dos acervos e registros sobre o Porrajmos em Auschwitz, guardados na Itália, Alemanha, Estados Unidos e outros países europeus.


 27 de janeiro - 70 anos de AUSCHWTIZ

E que seja assim para todos os outros campos de concentração, que países e governantes ainda tentam impantar o racismo, o medo e o horror.

Nós não esqueceremos nunca, enquanto vivermos.

AMSK/Brasil

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Ante las manifestaciones homófobas de Los Chunguitos

Ante las manifestaciones homófobas de Los Chunguitos

Mientras tanto a nosotros se nos acaba el aliento para seguir diciendo que la libre orientación sexual de las personas no es una enfermedad, ni una maldición de Dios, ni mucho menos está establecida en la Ley Gitana.  Pero, ¡claro!, esto no da audiencia.

Juan de Dios Ramírez-Heredia
Abogado y periodista
Presidente de Unión Romani



quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Mulheres ciganas: medo, relações intergrupais e confrontos identitários

Mulheres ciganas: medo, relações
intergrupais e confrontos identitários
Gypsy Women: Fear, intergroup relations and identity conflicts
Recibido: junio 6 de 2009 Revisado: noviembre 24 de 2009 Aceptado: junio 15 de 2010
Mariana Bonomo *
Lídio de Souza
Z eidi Araujo Trindade
Fabiana Davel Canal
J ulia Alves Brasil
A ndré Mota do Livramento
A na Paula da Silva Milani Patrocínio
Centro de Ciências Humanas e Naturais,
Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil
Abstract
Through the Theory of Social Identity our objective was to know the stereotypes present in the rural imaginary related to the gypsy group, and the feelings associated with this ethnic group. Ten women, non-gypsies, residents of a rural Brazilian community, participated in this study. We analyzed the data through the Alceste software. The analysis of the information obtained has allowed us to identify the feeling of fear as the main mediator of practices related to the gypsies, confirming characteristics widely present in the social imaginary about this ethnic group. There are present the classic stereotypes of thieves, criminals and the cursed. It discusses the dynamics of identity provoked by the conflict between the rural community and the gypsies, emphasizing the processes that guide the field of identification and differentiation in/out-group.
Key words authors
Exclusion, social identity, fear, gypsy woman, rural woman.
Key words plus
Culture, cultural studies, social movements, social psychology.
R e s u m o
Através da Teoria da Identidade Social procurou-se conhecer os estereótipos presentes no imaginário rural associados ao grupo cigano, bem como os sentimentos associados a esta etnia. Foram entrevistadas 10 mulheres não-ciganas, moradoras de uma comunidade rural brasileira. Realizou-se a organização dos dados através do software Alceste. A análise das informações nos permitiu identificar o sentimento de medo como importante orientador das práticas relacionadas aos ciganos, confirmando características presentes no imaginário social amplamente difundido acerca desta etnia.
Estão presentes os clássicos estereótipos de ladrões, malfeitores e amaldiçoados. Discute-se a dinâmica identitária provocada pelo conflito entre a comunidade rural e os ciganos, enfatizando os processos que orientam o campo de identificação e diferenciação endo/exogrupal.
Palavras-chave autores
Exclusão, identidade social, medo, mulher cigana, mulher rural.
Palavras-chave plus
Cultura, estudios culturales, movimientos sociales, psicología social.
* Rede de Estudos e Pesquisas em Psicologia Social
(RedePso), Centro de Ciências Humanas e Naturais,
Universidade Federal do Espírito Santo. Av.
Fernando Ferrari, nº 514, Campus Universitário
Goiabeiras, Vitória, Espírito Santo, Brasil. Cep:
29075-910.
Introdução:
Desde o nascimento os indivíduos se relacionam com o mundo a partir de um conjunto organizado de conhecimentos e sentimentos que lhes permitem o desenvolvimento do sentido de pertencimento e, consequentemente, de categorização do outro. À medida que o desenvolvimento se processa, os nossos sentimentos vão sendo fortemente marcados por regras e normas sociais, definidas pelos grupos sociais aos quais reconhecemos pertencer. A dimensão afetiva assume, então, funções comunicativas e de sociabilidade, podendo favorecer o afastamento ou a aproximação entre os grupos e as pessoas (Leite, 1999).
Carvalho, Machado e Suyama (2002) argumentam que o desenvolvimento do ser humano ocorre “através do confronto de ações, emoções, motivações e significados” (p. 47), sendo este um importante processo de construção do indivíduo, bem como das práticas sociais por ele vivenciadas, posto que a própria rede de interações é parte da rede social simbólica, constituída em um contexto histórico determinado, caracterizado por elementos culturais, econômicos, políticos e ideológicos. Neste contexto se organizam os valores atribuídos aos diferentes grupos sociais, bem como o medo de determinados grupos humanos. Glassner (2003) informa que o medo na atualidade envolve um processo de manipulação cuja trama esconde o interesse econômico na obtenção de lucro com determinadas formas de medos e insegurança, que são alimentadas nos mais diversos veículos de comunicação de massa. Vivemos, assim, entre a difusão de uma cultura do medo, um sentimento individual e socialmente partilhado, referenciado por objetos sociais que são oferecidos às nossas relações cotidianas já interpretados e revestidos de uma ideologia que contribui para a discriminação (Fiorin, 2004).
Martins (2004) fornece elementos importantes para a compreensão de como esse processo se organiza na vida cotidiana dos indivíduos. O autor explica que o sentimento de medo está ligado à nossa relação com eventos futuros, preparando-nos para fugir de um perigo que pode ser real ou imaginário:
“uma espécie de aviso da possibilidade de alguma ameaça ao organismo” (p. 55). À medida que nos desenvolvemos vamos aprendendo a identificar e fugir dessas situações potencialmente perigosas, sendo esse aprendizado diferente de sociedade para sociedade, cultura para cultura e, até mesmo, de indivíduo para indivíduo. Como destaca Leite (1999), os sentimentos atendem a uma necessidade do organismo, refletindo “as exigências, as normas e valores historicamente acumulados e assimilados pelo homem individualmente” (p. 96). Há, portanto, um compartilhamento individual dessa estrutura simbólica com a qual dialogamos cotidianamente,
em um processo de assimilação ativa, rejeitando e incorporando os conteúdos imagéticos que nos permitirão nos reconhecer como indivíduos – frutos de um conjunto de relações sociais, orientadas pelos diferentes grupos de que fazemos parte, nos quais tecemos, incessantemente, a nossa identidade social.
É neste sentido que Walton (2007) destaca que até mesmo um simples desconforto em relação aos hábitos do vizinho do lado pode passar de um ato inocente para uma ideologia de amargura e conflito. Não podemos nos esquecer, contudo, que a própria história da humanidade é uma história de conflitos, contada pelos rastros do confronto entre grupos diversos em diferentes épocas, confronto que visa criar e manter espaços in-group (Funari, 2006). Embora tais conflitos possam ter motivações político-econômicas, são, sobretudo, processos simbólicos que ocorrem no contexto políticoideológico. Em síntese, nos constituímos em um processo no qual o medo, ao estabelecer fronteiras entre os grupos sociais, alimenta determinados estereótipos e orienta práticas intergrupais. Delumeau (2007) esclarece:
A raiz disso se encontra na apreensão provocada entre pessoas que não se conhecem, ou que se conhecem mal, que vêm de fora, que não se parecem conosco e que, sobretudo, não vivem da mesma maneira que vivemos. Falam uma outra língua e têm códigos que não compreendemos. Têm costumes, comportamentos, práticas culturais que diferem das nossas, não se vestem como nós, não comem como nós, têm religião, cerimônias e ritos cujo significado nos escapa. Por todas essas razões, eles nos assustam e somos tentados a tomá-los como bodes expiatórios em caso de perigo. Se uma desgraça acontece a uma coletividade, é por causa do estrangeiro. (p. 46)
A importante questão que decorre deste processo é o uso ideológico que dele se faz, uma vez que a profusão de estereótipos e práticas associadas a determinados grupos sociais concorrem para a construção de grupos depositários reforçando a manutenção de representações marginais e concretizando a identidade como ideologia separatista (Sawaia, 2001). É a partir desta lógica que aprendemos a sentir medo de determinados grupos de pessoas, lugares, ideologias e, por conseguinte, a agir e a avaliar negativamente esse “outro”, marcando nosso próprio espaço identitário. Esta parece ser a condição de um grupo milenar, que fez da exclusão itinerante uma cultura de liberdade: os ciganos.
Univers itas Psychologica V. 10 No. 3 septiembre-diciembre 2011

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A CORAGEM DE DIZER O QUE É: CRISTINA DA COSTA PEREIRA

De mulher pra mulher, com carinho, respeito e admiração; é assim que pensamos sobre ela. Cristina da Costa Pereira .

Em 2013, pelas mãos do nosso querido Mio Vacite e sua esposa, recebemos um pequeno pacote, ela havia nos mandado seus livros. Eles estão aqui, no nosso pequeno mas valioso acervo e valeu muito a pena ler.

Respeitando, peço que leiam a matéria, a gente fica feliz de ver coisas assim. Quando a seriedade entra, parece que aparece um raio de sol e seca o lodo que havia manchado o tapete.  Em conte algo que não sei, aplaudimos de pé e a coisa não para por aí. Quando se convive e vive no contexto da etnia, fica muito difícil aceitar imitações.

Esperamos que num breve espaço de tempo, o Brasil, gestores e governantes, entendam que os povos de etnia rromani, estão aí, gritando por condições justas, honrando a memória dos mais velhos, respeitando as tradições e colocando o pé no século 21.

A desinformação e o preconceito institucional, custam caro aos povos de etnia rromani no Brasil, custam o direito a dignidade, a sua verdadeira cultura e ao respeito a seus direitos fundamentais. Custa um futuro de fato. 

saiba mais:  http://cristinadacostapereira.blogspot.com.br/2015/01/trechos-do-livro-historias-de-flamenco.html



AMSK/Brasil



Cristina da Costa Pereira, professora e escritora: ‘Seu vizinho pode ser um cigano’

por O Globo
25/12/2014 7:00

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/cristina-da-costa-pereira-professora-escritora-seu-vizinho-pode-ser-um-cigano-14895329#ixzz3OrMpmhnN
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 



Conte algo que não sei. 

O Brasil é o único país do mundo onde pessoas se dizem ciganas sem sê-lo. Aqui, muitos músicos de flamengo mentem para forjar autenticidade à sua arte, assim como algumas cartomantes. Na Europa, isso é impensável, já que lá há um forte preconceito.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/cristina-da-costa-pereira-professora-escritora-seu-vizinho-pode-ser-um-cigano-14895329#ixzz3OrOCHeX4
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

DOCUMENTO ORIENTADOR - GT CIGANOS





APRESENTAÇÃO

O presente Documento é fruto do trabalho do GT-Ciganos, grupo formado para acompanhar a implementação da Resolução CNE/CEB nº 03/2012, que institui as Diretrizes para o atendimento de educação escolar às populações em situação de itinerância, em especial às populações ciganas.

O objetivo é dar a unidade possível aos procedimentos que os Sistemas de Ensino brasileiros adotam em relação a esta temática, nos diferentes locais em que os ciganos estão presentes. Hoje, mais de quatrocentos municípios, de todos os estados da Federação, possuem populações ciganas em seus domínios, que necessitam ter suas características incorporadas ao cotidiano das escolas, como cidadãos detentores de direitos constitucionais: à vida, à saúde, à educação, entre outros.

Um dos objetivos estratégicos apontados neste Documento refere-se à garantia de matrícula, em qualquer época do ano, aos filhos e filhas dos ciganos. Esta é uma garantia universal que tanto o Ministério da Educação quanto os Sistemas de Ensino devem assegurar para que a inclusão seja, de fato, um componente real da educação brasileira.

A garantia de escolarização para crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos ciganos nos municípios do Brasil, bem como as condições de sua permanência na escola, é tarefa a que os órgãos públicos de ensino não podem abrir mão.

Às populações em situação de itinerância, em especial aos ciganos que vivem no Brasil, nosso reconhecimento.

Ao agradecer o empenho do Grupo na elaboração deste Documento, quero registrar também que o respeito às diferenças, à cultura e à diversidade devem ser a marca da escola pública moderna, democrática e inclusiva, que caminha com firmeza para os avanços necessários aos desafios dos novos tempos.

Macaé Maria Evaristo
Secretária Nacional de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão.



Para encontrar o documento orientador, acessar SECADI - Publicações - Diversidade Étnico-Racial - Ciganos - Documento Orientador para os Sistemas de Ensino